TrotaMerica

Nossas mentiras de cada dia: em uma cidade de faz de conta

Carlos Alberto Potolko, es escritor y vive en Santana do Livramento. capotoko@hotmail.com
Carlos Alberto Potoko, es escritor
y vive en Santana do Livramento.
capotoko@hotmail.com

DIARIO URUGUAI Y LA OPINIÓN
Quando a vida é uma mentira em quem se pode confiar? Com produção e fotografia impecáveis, narrativa lenta e poética, o filme “Lore”, da diretora australiana Cate Shortland, se passa no período pós-guerra e conta a saga de uma garota alemã e seus quatro irmãos pequenos em busca de abrigo e segurança. O mais intrigante nessa narrativa é a confusão de sentimentos em que a jovem se encontra. Lore fica confusa e perde a capacidade de confiar no que sente ao dar-se conta de que sua vida é uma mentira. No fim da jornada nota-se que Lore encontra amor, mas não consegue amar; encontra segurança, mas não consegue se sentir segura; encontra alegria, mas não consegue alegrar-se.
Faço essa analogia, para entender a cidade de faz de conta que vivemos, Ela tem supermercado, igrejas, teatro, cinema e pracinhas agradáveis (em Rivera). Uma típica cidade fronteiriça, é um lugar acomodado e atraente, com muitas casas simpáticas, restaurantes agradáveis, mas escassas opções de lazer para os cerca de 82.000 moradores. Poderia ser apenas mais uma cidadela qualquer no Sul do Brasil. Mas é uma cidade de faz de conta – nela parece que todos são felizes, mas não, carregam no semblante tristeza pela falta de cuidados que o governo deveria ter com os espaços públicos, ruas, praças, sinalização, ordenamento do trânsito em geral, serviço de saúde deficiente… Enfim, a lista que se observa nas redes sociais é bem ampla.
Se nosso desejo de uma boa gestão dos nossos representantes não está bem aceita pela população em geral, prova disso são as manifestações dos que nos visitam a reclamarem no face book, o abandono da nossa cidade em evidência. A administração dela, é bem provável que tenha se tornado exaurida de forças e desse modo, impotente. E assim como a inteligência, impotente, chama o desejo, a impotência de realizar o desejo da população se revela na negação. Ou seja, faz-se de conta que tudo está a mil maravilhas. Quando nos fazemos de conta de que tudo está ótimo, mas ocultamos isso. Há uma estranha realização nisso: a contraditória realização que nos traz toda irrealização. Somos despreparados para o desejo do bem comum porque somos despreparados para o outro. Somos iguais a “Lore” isso porque ela, ou nós, não conseguimos identificar o que necessitamos porque temos sentidos e sentimentos invalidados pela negação. Assim que, tanto ela como nós perdemos a capacidade de confiar no que se sente, em especial em relação a nossa cidade. Que 2016 seja o orvalho de cada amanhecer florido.

Noticias relacionadas

El mundo es de los mediocres, según la escritora uruguaya Carmen Posadas

Eduardo Merica

Salto sede del Festival Internacional de la Canción Uruguay 2019

Eduardo Merica

¿Qué es semana Tea en tecnología?

Eduardo Merica

Deja un comentario